Visitar o Palácio de Caserta?

A Reggia di Caserta e o seu parque são duas joias de incomparável esplendor, inseridas na World Heritage List da Unesco de 1997. Vamos conhecer?

0 1.468

Por que conhecer o Palácio de Caserta?

Bem protegido como patrimônio da humanidade

Projetada no XVIII século por Luigi Vanvitelli, sobre o encargo de Carlos III de Bourbon, a Reggia, que representa o triunfo do barroco italiano, é uma das obras mais importantes do famoso arquiteto napolitano, o visitante permanece encantado pela beleza interior e das magnificências do exterior.

Exatas nos detalhes e articulada sobre quatro cortiços monumentais, o edifício está de frente a um parque cenográfico, hoje meta de milhares de turistas.


Faça da sua viagem para Itália uma experiência única! Conheça os meus e-books com dicas exclusivas de quem conhece o melhor da Itália!


A Reggia di Caserta e o seu parque são duas joias de incomparável esplendor, inseridas na World Heritage List da Unesco de 1997.

Visitar Reggia de Caserta

A Reggia di Caserta se apresenta como um verdadeiro e próprio complexo monumental que ocupa 45.000 m² e, com os seus cinco andares, alcança uma altura de 36 metros. Sobre a fachada principal se abrem 143 janelas e no palácio existem 1200 câmaras e trinta e quatro escadarias. O edifício é fabricado em tijolos e os dois andares inferiores estão revestidos com placas de travertino. A inteira estrutura é coroada por uma ampla cúpula central. Visitando o seu interior surpreende-se pela sucessão de estuques, baixos-relevos, pinturas, esculturas, pavimentos em intársia. Notáveis são aqueles da Sala di Astrea, da Sala di Marte e da Sala del Trono. Este último é o maior dos depósitos reais e era destinado à recepção das personalidades. As partes mais cenográficas de Reggia são o conjunto de átrios e a monumental escada de honra e a capela.

Visitar o Palácio de Caserta

Indicações históricas

Nápoles era considerada, em meados dos anos na metade do VXIII século, o centro cultural do sul onde, graças também ao prestígio obtido como capital do reino, se encontravam personagens ávidas de cultura napolitana. Eram os anos no qual se tinha escavado em Ercolano e se escavava em Pompeia, portanto artistas e diplomatas distintos, a maioria franceses, atraídos pelas belezas naturais e geralmente do sul, haviam inserido Nápoles em uma das metas do ‘Grande Tour’.

É de convicção histórica que Carlos de Bourbon aspirava e olhava com interesse emulador a moldura monumental que havia caracterizado o absolutismo monárquico de Luigi XIV, a aquisição, portanto, de Caserta e o projeto de transferir a nova cidade da corte com todas as sedes institucionais do Reino, o desejo de dar maior prestígio à linhagem, e de agradar a sua predileção pessoal pelas grandes obras, tornou-se necessidade convincente para Carlos III por causa dos temidos ataques ingleses provenientes pelo mar.

Visitar o Palácio de Caserta

A planície de Caserta pareceu o lugar ideal e, após alguma incerteza, Carlos III confiou a obra arquitetônica a Vanvitelli, pedido e obtido a permissão do papa Bento XIV, por que Vanvitelli era o arquiteto da fábrica de São Pedro às diretas dependências da Corte Pontfícia. Nascido em Nápoles em 1700 tinha cinquenta anos quando teve o encargo desta obra, em plena maturidade artística e forte de uma longa experiência adquiridas em fábricas romanas.


Se você deseja viajar para a Itália, siga o canal Viajado Para Itália no YouTube e descubra as melhores dicas para sua viagem ser inesquecível.

Em meados da metade de 1750 iniciaram-se os estudos preparatórios para o projeto, que foi elaborado por grande parte de 1751, cerca de um ano foi necessário para o estudo. Dezesseis mesas gravadas sobre o cobre pelo célebre gravador Carlo Nolli definiram a pintura final do primeiro projeto que compreendia não somente a Reggia e as suas dependências, mas também a instalação da nova cidade com o ideal ligamento em Nápoles que partia pela Grande Cascata. O projeto, em sua elaboração, foi sempre seguido com cuidado por Carlos III, que dava indicações e sugestões. Em 20 de janeiro de 1752, o mesmo rei com grande solenidade pôs a primeira pedra, depois de ser benzida, na presença da rainha, dos embaixadores estrangeiros, no núncio pontifício e de uma inumerável multidão.

As obras do novo Palácio Real duraram além de vinte anos sob a valente e organizadíssima direção de Luigi Vanvitelli até a sua morte ocorrida em Caserta em 1° de março de 1773, e então depois, as obras foram confiadas ao filho Carlos.

Conhecer o Palácio de Caserta

Aquela inumerável multidão ainda hoje, idealmente, está presente, quase uma evidência de continuidade histórica, que visita encantada esta severa maravilha arquitetônica, permanece chocada pela sua imponência.


Faça da sua viagem para Itália uma experiência única! Conheça os meus e-books com dicas exclusivas de quem conhece o melhor da Itália!


O Palácio Real

Definida uma das criações planimétricas mais harmônicas, mais lógicas, mais perfeitas das arquiteturas de todos os tempos, a Reggia foi terminada em 1845, embora fosse já habitada em 1780. O Palácio Real de Caserta une uma instalação rigorosa aos prodígios cenográficos de uma típica Reggia do XVIII século.

A Reggia ocupa uma superfície de 45.000 m² e os espaços internos do palácio se soltam através de 1.200 câmaras.

Pela Escada de Honra é possível acessar a Capella Palatina, símbolo da supremacia régia absolutista e católica, e aos Depósitos Reais embelezados pelas decorações de artistas e artesões, expressão do gosto e esplendor da família borbônica, tem sido o cenário espetacular da entrada dos Chefes de Estado para o Vertice G7 retomadas pelas televisões de todo o mundo. A escada, inserida no Vestíbulo, nos Depósitos Reais e a Capella Palatina ao andar superior, é uma invenção da arte cenográfica do XVIII século e liga o vestíbulo inferior ao superior, do qual se acessa os depósitos reais.

A Capella Palatina, projetada por Vanvitelli até nas decorações, é de fato o ambiente que mais do que tantos mostra uma clara analogia com o modelo de Versailles. Notável também é o teatro de corte, admirável exemplo de arquitetura teatral do XVIII século: a sala em ferradura, ao invés arredondada tornou-se solene pela disposição particular das colunas, a ordem gigante, também os outros ambientes são de excepcional beleza.

A Pinacoteca em seu interior é organizada em uma série de câmaras ligadas e acolhe numerosas pinturas representando naturezas mortas, eventos bélicos e retratados pela família borbônica.

Ir no Palácio de Caserta

No aposento velho está exposto o presépio borbônico, grande paixão da nobre família pela qual surgiu a tradição napolitana para a preparação do Nascimento.

A biblioteca palatina é anexada aos aposentos da rainha, mulher refinada e de grande cultura, e enfim decorada por relevos e pinturas entre as quais aquela que reproduz os signos zodiacais e as constelações, seguido sobre o desenho do próprio Vanvitelli. Espetaculares são também as salas dedicadas às quatro estações. Naturalmente a Reggia tem muitas câmaras, esplêndidos salões, salas de leitura, o teatro e outros, mas para dar o direito de homenagem a todas as zonas do palácio real não nos resta mais nada que visitá-lo.

O Parque Real

O seu esplendor e a sua vastidão se anunciam até a entrada em Reggia, quando o ‘verde’ a perder de vista se enquadra entre as arcadas da galeria central e os feixes de pilares dos cortiços, uma simetria axial fortemente almejada por Vanvitelli, que a havia concebido por um desenvolvimento de quilômetros, começando pela grande avenida com a qual havia ligado Nápoles a Reggia.

A ideia do rei Carlos de competir com Versailles permitiu a Luigi Vanvitelli de pensar grande, basta recordar que para levar água às fontes e à cascata, o arquiteto, forte também na experiência madura com o Acquedotto del Vermicino, fez escavar poços de profundidades incríveis, perfurar montanhas, elevar a sessenta metros um poderoso viaduto ao longo de 528 metros, conhecido como ‘Ponti della Valle’. O empreendimento exigiu dezesseis anos de trabalho, mas enfim o Parque havia aquela massa de água necessária para vivificar a grande Cascata, as numerosas Fontes e a Pesqueira Grande. Luigi Vanvitelli, porém, pôde ver as obras apenas começadas, foi o filho Carlos, com alguma modificação, a completar o Parque, o desenho, fundamentalmente, permaneceu aquele de Luigi, o qual é devido a sua arquitetura.

Visitar o Palácio de Caserta

Em 1773, ano de sua morte, o criador não tinha visto feita uma só das fontes projetadas, de modo que devia ser Carlos a fazer seguir por uma densa fila de escultores as estatuas que deviam enfeitá-la, encaixando-as na geometria dos prados verdes e dos tanques, dos fiar de árvores e dos bosques de azinheiras. Seis monumentais fontes: a fonte Margherita, de Delfini, de Eolo, de Cerere, de Venere e Adone, de Diana e Atteone. A fonte Margherita é a primeira que se encontra nutrindo o Parque da Régia, e é a mais modesta, sendo decorada unicamente pela escultura de um cesto.

Bem diversa é a Fontana dei Delfini, onde uma massa de água compõe um pequeno lago circular, enfeitado pela escultura de Gaetano Salomone: dois golfinhos que ficam ao lado de um monstro com cabeça e corpo de golfinho e braços e garras.

Conhecer o Palácio de Caserta

O parque é um típico exemplo de jardim italiano, construído com vastos prados, canteiros retangulares e, sobretudo, um triunfo de jogos de água. Ao longo do eixo central, se prosseguem tanques, as fontes e cascadas, enfeitadas por grandes grupos esculturais, que criam um efeito cenográfico de grande impacto que alcança o ápice na Grande Cascata.

O Parque se estende até o cume da colina antes do Palácio. Singular é o jardim inglês, menos simétrico com relação àquele italiano, almejado por Maria Carolina d’Austria onde foram plantadas numerosas plantas indígenas e exóticas, entre os quais alguns belíssimos cedros do Líbano.

Terminando podemos dizer que a Reggia de Caserta é provavelmente entre as mais belas e majestosas residências reais que tenham jamais sido construídas. O Palácio tem ambientes, capelas, museus e teatros que abrigam algumas das mais grandes obras-primas da arte do XVII, XVIII e XIX séculos.


Não deixe de ler:

Como Chegar na Itália?


Uma Ajuda Extra para sua Viagem para a Itália

Seguro Viagem Para Italia Viajando Para Italia Aluguel de Carro na Italia Viajando Para Italia Onde Ficar na Italia Viajando Para Italia
O Seguro Viagem é obrigatório e mais barato do que você imagina. Ainda mais com nosso bônus. Quer viajar pela Itália de carro mas não sabe onde alugar um? Nós temos a solução para seu problema. Garanta sua hospedagem em site confiável e renomado, sem sustos em sua viagem.

 

   Mala Levar Vinho da Italia para Brasil Viajando para Italia Consultoria Para Viagem Para Italia Viajando para Italia
Passeios em Grupo em toda a Itália e com Compra de Bilhetes antecipada economizando tempo e dinheiro. Que tal uma mala para você levar os melhores vinhos italianos para sua casa no Brasil? Conheça mais essa facilidade. A sua Viagem dos Sonhos para a Itália pede um serviço diferenciado, com excelência e dentro do seu orçamento.

Os Melhores Conteúdos do Viajando Para Itália

  1. Qual é o gasto médio em um dia na Itália?
  2. O que visitar na Itália em 10 dias?
  3. Os dez lugares imperdíveis da Toscana?
  4. As melhores dicas para economizar na sua viagem para Itália?
  5. Aeroportos da Itália? Como chegar no teu hotel? Veneza, Milão, Roma, Florença? Saiba como agora!
  6. O que fazer em 1, 2, 3 ou 4 dias nas principais cidades italianas? Conheça itinerários em cada cidade que você vai visitar!
  7. As melhores dicas sobre alimentação na Itália? Vinho? Comida típica em cada lugar?Economizar? Roteiros de enogastronomia? Descubra tudo!
  8. Viagem de carro na Itália: Exemplos de roteiros nas principais regiões italianas!
  9. Quais são os principais monumentos turísticos na Itália? Quais são os monumentos imperdíveis e que você deve colocar no teu roteiro?
  10. Qual é a melhor época para ir para Itália? O melhor período? O clima na Itália?
  11. Saiba tudo sobre o Transporte na Itália? Trem? Carro? Como se deslocar? Comprar passagem de trem? Metro?
  12. Os melhores exemplos de roteiros turísticos na Itália? Monte o seu roteiro seguindo os meus conselhos!

Grande abraço da Itália,

Ana Patricia

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.